Ataque no Kuwait tem ligação com Al-Qaeda, diz ministro

O ministro do Interior do Kuwait, xeque Mohammed Jaled Al Sabah, disse hoje a legisladores que membros da célula relacionada com o ataque contra fuzileiros navais americanos confessaram pertencer à Al-Qaeda, segundo um deputado islâmico. Sabah não falou à imprensa depois de uma reunião a portas fechadas com membros do Parlamento. Investigadores afirmam que cerca de 15 membros de uma célula poderiam estar envolvidos com o ataque a tiros, ocorrido na terça, 8 de outubro, no qual morreu um fuzileiro americano e um outro ficou ferido. Os atacantes foram mortos em seguida por outros fuzileiros navais. Jaled al-Adwa, membro islâmico do Parlamento, disse que Al Sabah mencionou alguns suspeitos detidos depois do tiroteio, e que estes disseram às autoridades que eram membros do movimento Al-Qaeda. "Dizem que consideram Osama bin Laden seu líder", afirmou Al-Adwa, repetindo o que escutou do ministro do Interior. Ontem, um funcionário do Ministério do Interior afirmou que os interrogatórios de 60 suspeitos e testemunhas levaram à detenção de 15 pessoas integrantes de uma célula dirigida por Anas al-Kandari, um dos atacantes. O ataque não teve precedentes no Kuwait, importante aliado dos Estados Unidos desde a Guerra do Golfo Pérsico em 1991. O governo do Kuwait disse que foi um "ato terrorista" e prometeu continuar apoiando Washington em sua luta contra o terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.