Ataque no Paquistão foi por homem-bomba vestido de clérigo

Um militante suicida vestido de clérigo muçulmano xiita foi o responsável pelo atentado que ontem deixou 14 mortos e mais de 200 feridos em uma mesquita de Karachi, no sul do Paquistão, informou neste sábado uma agente que trabalha na investigação do incidente. A explosão de sexta-feira foi o mais grave de uma série de atentados recentemente perpetrados contra Karachi, a maior cidade do Paquistão. Um dia depois do ataque, diversos episódios de violência sectária foram registrados em Karachi. Rivais, muçulmanos sunitas e xiitas trocaram tiros e pelo menos uma pessoa morreu no fogo cruzado, informou a polícia, que foi obrigada a usar bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. O ato também gerou reações indignadas em todo o país e no exterior e aumentou a pressão para que Islamabad adote ações capazes de conter a violência. Até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria do atentado. Manzoor Mughal, um dos líderes das investigações, disse que agora a polícia trabalha para determinar a identidade do homem-bomba. "Com base nas declarações feitas por alguns fiéis feridos no atentado e em outras evidências recolhidas, acreditamos que um sujeito disfarçado de clérigo xiita foi o responsável pelo atentado", disse Mughal, que não revelou mais nenhum detalhe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.