Ataque paralisa maior refinaria de petróleo do Iraque

Dois funcionários foram mortos em ataque que deve interromper produção por dias.

BBC Brasil, BBC

26 de fevereiro de 2011 | 11h54

A refinaria já esteve nas mãos da rede Al-Qaeda

Um ataque realizado com bombas e armas na manhã de sábado paralisou a maior refinaria de petróleo iraquiana.

O ataque aconteceu na refinaria de Baiji, província de Salaheddin, quando homens armados a invadiram, matando funcionários e plantando bombas em uma de suas unidades.

O incêndio que se seguiu só foi controlado com o acionamento de 50 carros de bombeiros.

"Homens armados invadiram a refinaria e mataram dois engenheiros. Eles então detonaram bombas em uma unidade que representa 25% da produção de Baiji", disse Abdul Qader al-Saab, um porta-voz da refinaria.

O governador da província de Salaheddin, Ahmed al-Jubouri, disse que a refinaria, que processa cerca de 150 mil barris de petróleo por dia, está "completamente parada".

Al-Qaeda

No passado, a refinaria de Baiji chegou a estar nas mãos da Al-Qaeda que usava sua produção para financiar suas atividades. A região, de maioria sunita, foi considerada um dos bastiões da resistência iraquiana contra a presença americana no Iraque.

As outras duas grandes refinarias iraquianas ficam em Bagdá e na província predominantemente xiita de Basra.

O correspondente da BBC em Bagdá Jonathan Head disse que militantes costumam atacar alvos estratégicos, mas o momento deste ataque deve preocupar o governo, formado recentemente após meses de um impasse político.

Uma das maiores reclamações das população iraquiana é com a inconsistência da distribuição de petróleo.

Na sexta-feira ocorreu um dia de protestos contra as condições de vida em várias cidades no Iraque.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.