Ataque perto de Damasco mata mais de 30, dizem ativistas

Carro-bomba de grupo vinculado à Al-Qaeda teria atingido posto do Exército, dando início a combates

19 de outubro de 2013 | 10h30

DAMASCO - Pelo menos 16 soldados sírios e 15 rebeldes morreram neste sábado, 19, em combates perto de Damasco, afirmam ativistas. Os confrontos teriam se iniciado após a detonação de um carro-bomba em um posto de controle de tropas leais ao regime de Bashar Assad na região cristã de Jaramana, subúrbio da capital.

A TV estatal síria culpou "terroristas" pela morte de soldados, mas não noticiou detalhes do ataque. Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, que monitora o conflito, o automóvel carregado de explosivos foi detonado em um posto de controle do Exército entre Jaramana e a cidade de Mleha, sob controle dos rebeldes, dando início a intensos combates. Os responsáveis pelo atentado seriam do grupo ultrarradical Brigadas de Al-Nusra, ligado à Al-Qaeda.

Ainda de acordo com o observatório, forças opositoras lançaram foguetes contra os militares de Assad logo após a explosão, dando início a um intenso combate. Damasco, porém, não confirma essas informações.

A nova onda de combates ocorreu pouco após os EUA lançarem um apelo ao regime sírio para que permita o acesso de ajuda médica e alimentos a zonas de conflito. Jen Psaki, porta-voz do Departamento de Estado, pediu que Assad "imediatamente libere os comboios com auxílio (internacional)", impedidos de circular livremente em território sírio. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.