Ataque rebelde mata 10 soldados em Darfur

Homens armados atacaram na madrugada de sábado para domingo uma base da missão de paz da União Africana (UA) em Darfur, no Sudão, matando dez soldados nigerianos. Outros 25 ficaram feridos e há pelo menos 50 desaparecidos. Foi a maior ofensiva contra soldados da UA desde que a força de paz chegou à região, em 2004. Embora ninguém tenha assumido a autoria do ataque, tropas do governo e grupos rebeldes trocam acusações sobre a responsabilidade pelo incidente. O ataque coincidiu com a presença no Sudão do arcebispo sul-africano Desmond Tutu, que chegou ontem a Cartum acompanhado por uma delegação de diplomatas e defensores de direitos humanos para debater a paz no país.Nos quatro anos de conflito em Darfur, pelo menos 200 mil pessoas foram mortas e cerca de 2 milhões tiveram de deixar suas casas. O governo sudanês do presidente Omar al-Bashir é acusado de apoiar milícias muçulmanas, conhecidas como Janjaweed, que atacam vilarejos de Darfur. A ofensiva tenta controlar as operações feitas por grupos rebeldes, compostos em sua maioria por africanos negros, que exigem mais autonomia e acusam de discriminação o governo de Bashir.Nos últimos meses, os rebeldes vêm demonstrando hostilidade contra os 7 mil soldados da UA por considerarem que a missão de paz está do lado do governo. O Conselho de Segurança da ONU já aprovou o envio de 26 mil soldados para reforçar o contingente da UA, mas até agora a ajuda não chegou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.