Ataque rebelde põe fim a trégua em região cristã e curda na Síria

Tropas rebeldes e do Exército se enfrentaram em cidade da fronteira, combate causa danos ao aeroporto local

BEIRUTE, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2013 | 02h13

Tropas rebeldes enfrentaram ontem o Exército sírio em Qamishli, na fronteira leste da Síria, disse um grupo de oposição ao presidente sírio, Bashar Assad, pondo fim ao frágil período de trégua unilateral na região de maioria cristã e curda.

Qamishli, na fronteira com a Turquia e perto do Iraque, vinha em estado de relativa tranquilidade durante o levante de dois anos contra Assad, já que os curdos da área fizeram um acordo com os rebeldes, na maioria árabes, para evitar confrontos dentro dos limites da cidade, afirmou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Vídeos publicados ontem na internet mostraram dezenas de rebeldes em caminhonetes preparando um ataque contra o aeroporto de Qamishli e uma nuvem de fumaça saindo das instalações do terminal.

A cidade, de cerca de 200 mil habitantes, também abriga milhares de sírios que fugiram da guerra em outras partes do país, segundo o Observatório. Os moradores devem agora esperar e ver se Assad responderá aos ataques rebeldes usando aviões de guerra, como tem feito em outras grandes cidades.

O Observatório afirmou que o avanço inclui rebeldes do Exército Sírio Livre e do grupo islâmico de linha dura Frente al-Nusra, que no passado enfrentou cristãos e curdos que a oposição tentou convencer a abandonar Assad. "Não estamos certos sobre a razão dos ataques de hoje", disse o líder do Observatório, Rami Abdelrahman. "Talvez a trégua tenha se rompido", disse ele, acrescentando que o governo e as milícias curdas controlam diferentes áreas de Qamishli.

Mais de 70 mil pessoas morreram na guerra civil síria até agora, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Março foi o mês mais sangrento do conflito, com mais de 6 mil mortos, um terço deles civis, de acordo com o Observatório. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.