Rahmat Gul/AP Photo
Rahmat Gul/AP Photo

Ataque reivindicado pelo Estado Islâmico em Universidade deixa 22 mortos no Afeganistão

Homens armados invadiram a principal instituição de ensino superior do país, em Cabul; dois agressores foram abatidos pelas forças de segurança, segundo porta-voz do governo

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2020 | 16h04

CABUL - Ao menos 22 pessoas morreram e várias ficaram feridas nesta segunda-feira, 2, depois que vários homens armados invadiram a Universidade de Cabul, a maior do Afeganistão, anunciaram autoridades afegãs e testemunhas. O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado, segundo um comunicado publicado por sua agência de notícias Amaq. "Dois combatentes do Estado Islâmico atacaram um ato do governo afegão na Universidade de Cabul coincidindo com a formatura de juízes e investigadores", afirmou a Amaq em uma mensagem divulgada no aplicativo Telegram.

Os homens invadiram a Universidade de Cabul no início da manhã, horário de maior movimento, indicou à Efe o porta-voz do Ministério de Educação Superior, Hanif Farzan. De acordo com a fonte, no momento, cerca de 15 mil pessoas estavam no estabelecimento de ensino. O ataque terminou após várias horas de confronto com as forças de segurança, segundo as fontes.

"Dois agressores foram mortos pelas forças de segurança", afirmou o porta-voz do ministério do Interior, Tariq Arian. O porta-voz da policia de Cabul, Ferdaws Faramerz, disse à AFP que a maioria das vítimas são estudantes. 

Nas redes sociais foram postados vídeos pouco depois do início da ação, gravados por alunos, que mostram a tentativa de fuga de quem estava dentro da instituição, pulando muros ou correndo por saídas alternativas, enquanto é possível ouvir som de disparos de arma de fogo.

Ao Amaq, fontes das forças de segurança do país asiático indicaram que homens do EI "conseguiram atacar uma reunião organizada pelo governo afegão na Universidade de Cabul, para graduar juízes e investigadores, após terem completado um curso de capacitação".

De acordo com a apuração da agência, o balanço de mortos e feridos é de quase 80. Mais cedo, o governo indicou o registro de 22 óbitos, número que segue mantido.

Em comunicado divulgado por canal do serviço de mensagens Telegram, o Estado Islâmico não indicou informações sobre mortos e feridos, apenas identificou os autores do atentado como Anas al Banshery e Tariq al Kharasany.

Mais cedo, o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, a autoridade máxima do processo de paz no país, Abdullah Abdullah, e o representante da OTAN, Stefano Pontecorvo condenaram o atentado, que foi o segundo em dez dias contra uma instituição de ensino em Cabul.  /AFP, EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.