Ataque será desnecessário se Iraque obedecer a resoluções, diz Robertson

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), lorde George Robertson, disse hoje que não haverá necessidade de uma ação militar contra o Iraque se o governo liderado por Saddam Hussein obedecer "total e incondicionalmente" às resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU). Robertson disse ainda que a Otan ainda não se decidiu sobre um pedido de ajuda dos Estados Unidos no caso de uma nova guerra contra o Iraque. "Não haverá necessidade de uma ação militar se Saddam obedecer total e incondicionalmente aos termos das resoluções Conselho de Segurança da ONU", acredita Robertson. O secretário-geral da Otan fez as declarações após uma reunião de uma hora com o primeiro-ministro da Grécia, Costas Simitis, da qual também participaram os ministros gregos da Defesa, Yiannos Papantoniou, e das Relações Exteriores, George Papandreou. A Grécia ocupa atualmente a presidência rotativa da União Européia (UE). O chefe da política externa da UE, Javier Solana, também está em Atenas e discutiu uma viagem que Papandreou pretende fazer ao Oriente Médio. A data da viagem ainda não foi anunciada. Simitis disse que a solução da crise no Iraque é uma prioridade da presidência da UE. "Nosso objetivo é a paz. Todos os meios disponíveis para levar à paz - meios estes que estão de acordo com o direito internacional - certamente terão de ser explorados", declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.