Ataque suicida a embaixada da Dinamarca mata 6 no Paquistão

A explosão de um carro em frente àembaixada dinamarquesa no Paquistão matou seis pessoas e feriucerca de 20 na segunda-feira, segundo fontes de hospitais epoliciais, que atribuíram o ataque a um militante suicida. A explosão volta a colocar em dúvida a segurança dosestrangeiros no Paquistão, apesar da redução dos ataques desdea posse do novo governo, eleito em fevereiro com a promessa denegociar o fim da violência. Jornais da Dinamarca enfureceram os muçulmanos do mundotodo no final de 2005 ao publicarem charges e caricaturas doprofeta Maomé. Esses desenhos, considerados blasfemos pelosseguidores do Islã, desencadearam protestos violentos e ataquescontra missões diplomáticas dinamarquesas. Em 2006, a Embaixada da Dinamarca em Islamabad chegou a serdesativada devido às manifestações. Ninguém reivindicou o ataque de segunda-feira, mas vizinhosdisseram que já temiam que isso ocorresse. "Desde quepublicaram as charges sempre tivemos esse medo. Mas, pelo quefizeram com nossa religião, eles mereceram", disse Sana Khalid,moradora deste bairro sofisticado, onde ficam váriasresidências e missões diplomáticas. A explosão, ocorrida pouco depois das 13h (4h em Brasília),destruiu o portão da embaixada e danificou também a fachada ealguns veículos. As autoridades disseram que todos os mortossão paquistaneses, e que o atentado foi provocado por umcarro-bomba guiado por um militante suicida. O ataque abriu uma cratera com um metro de profundidade narua em frente à embaixada. O motor do carro foi parar a dezmetros da cratera. Edifícios e veículos próximos também sofreram danos. Ocorpo de um vigia paquistanês ficou caído junto ao portão,enquanto homens levavam feridos ensanguentados paraambulâncias. Os mercados financeiros do Paquistão não foram afetadospelo atentado. O chanceler dinamarquês, Per Stig Moeller, condenou oatentado e informou que um faxineiro paquistanês da embaixadamorreu e que três outros empregados locais ficaram feridos. "É terrível que terroristas cometam tais atos. Já estamostrabalhando sob um nível mais elevado de segurança noPaquistão. É perigoso", disse ele, acrescentando que o governovai reavaliar a segurança em todas as suas embaixadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.