Muhammad Sadiq/EFE
Muhammad Sadiq/EFE

Ataque suicida contra comboio da Otan mata 11 crianças no Afeganistão

Carro-bomba explodiu quando passava perto de uma mesquita, e crianças que estavam no pátio do recinto religioso morreram ao serem atingidas pelos estilhaços e esmagadas pelos escombros

O Estado de S.Paulo

30 Abril 2018 | 11h10

CABUL - Pelo menos 11 crianças morreram e outras 17 pessoas ficaram feridas, entre elas cinco soldados romenos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em um ataque suicida nesta segunda-feira, 30, contra um comboio das forças aliadas na província de Kandahar, no sul do Afeganistão.

Mais cedo, um duplo atentado suicida deixou ao menos 25 mortos em Cabul, incluindo 9 jornalistas. As explosões reivindicadas pelo Estado Islâmico ocorreram em um intervalo de 30 minutos e tinham como objetivo atingir a sede dos serviços de inteligência do país e os profissionais da imprensa que se dirigiram ao local.

Já em Kandahar, um suicida detonou um carro-bomba contra um comboio de militares romenos da organização quando passava perto de uma mesquita, provocando uma potente explosão que derrubou um muro que cercava o pátio do recinto religioso, disse à agência EFE o porta-voz da polícia provincial, Matiullah Helal.

As crianças, que estavam no pátio da mesquita, morreram ao serem atingidas pelos estilhaços e esmagadas pelos escombros do muro destruído pela explosão, que aconteceu no distrito de Daman por volta das 10h30, no horário local (3 horas em Brasília), acrescentou o porta-voz.

Outras 12 pessoas, entre elas mulheres e crianças, ficaram feridas no ataque e foram levadas a hospitais da região. Helal afirmou que cinco militares romenos ficaram também feridos.

Fotógrafo da 'AFP' morto no Afeganistão registrava conflito no país há 15 anos

O porta-voz das forças aliadas no Afeganistão, Robert Kearley, disse que a missão está ciente das informações que estão sendo divulgadas pelos veículos de imprensa e estão investigando o sucedido.

No ano passado, 861 crianças morreram e 2.318 ficaram feridas como consequência do conflito no Afeganistão, segundo dados da Missão de Assistência das Nações Unidas no país asiático (Unama).

Em janeiro de 2015, a Otan finalizou sua missão de combate no Afeganistão e a substituiu por uma de treino e assessoria às tropas afegãs, que atualmente conta com cerca de 14 mil soldados. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.