Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Mohammad Sajjad/AP
Mohammad Sajjad/AP

Ataque suicida deixa 6 mortos no noroeste do Paquistão

Homem dirigia motocicleta e detonou os explosivos junto ao corpo ao passar por patrulha policial

Agência Estado

29 de abril de 2013 | 08h18

PESHAWAR - Um ataque suicida, cujo alvo eram policiais, deixou seis mortos no noroeste do Paquistão nesta segunda-feira, 29. Trata-se do mais recente ataque antes das eleições parlamentares, marcadas para 11 de maio.

O suicida, que dirigia uma motocicleta, detonou os explosivos que levava junto ao corpo ao passar por uma patrulha de polícia na cidade de Peshawar, noroeste do país, informou o chefe de polícia Liaqat Ali Khan.

Três policiais estão entre as mais de 30 pessoas que ficaram feridas na explosão, disse Khan. Muitos dos mortos e feridos eram pessoas de um ônibus que estava por perto e foi mais afetado pelo ataque.  Imagens de televisões locais mostraram os destroços do ônibus e da motocicleta, enquanto equipes de resgate levavam os feridos para hospitais da cidade.

Nenhum grupo havia assumido a responsabilidade pelo ataque, mas as suspeitas são de que ele tenha sido realizado pelo Taleban paquistanês, grupo que há anos realizada um sangrenta batalha contra o governo e tem intensificado os ataques na medida em que as eleições se aproximam.

No domingo, o Taleban matou 11 pessoas em ataques com bombas durante um comício político e contra dois escritórios de campanha no noroeste do país. O grupo já matou pelo menos 60 pessoas em ataques contra políticos e funcionários de partidos desde o início de abril.

O Taleban ataca partidos políticos mais seculares, que apoiam ofensivas militares contra os militantes no noroeste. O grupo no geral não ataca legendas islâmicas e aqueles que são favoráveis a um acordo de paz com os militantes. Por isso, teme-se que os episódios de violência acabem por beneficiar partidos que são mais brandos em relação aos militantes, porque conseguirão realizar melhor suas campanhas.

"A menos que o governo, a comissão eleitoral independente e as forças de segurança garantam que todos os partidos possam realizar suas campanha livremente e sem temores, a eleição pode ser seriamente comprometida", declarou Ali Dayan Hasan, representante do grupo Human Rights Watch (HRW) no Paquistão, em comunicado divulgado nesta segunda-feira. / AP

 

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.