Massoud Hossaini/AP
Massoud Hossaini/AP

Ataque suicida deixa ao menos 6 policiais mortos no Afeganistão

Homem-bomba detonou explosivos em frente ao prédio do Ministério do Interior em Cabul

O Estado de S. Paulo,

02 de abril de 2014 | 10h35

CABUL - Um homem-bomba vestindo uniforme militar realizou um ataque suicida nesta quarta-feira, 2, no prédio do Ministério do Interior em Cabul, e matou ao menos seis policiais, disseram autoridades. Essa é mais uma ação do Taleban dias antes das eleições presidenciais no país.

Outros quatro policiais ficaram feridos. O porta-voz do Ministério do Interior, Sediq Seddiqi, informou o número de vítimas em sua conta no Twitter.

O ataque ocorreu na primeira hora da tarde (horário local), quando o homem detonou os explosivos que levava no portão do edifício governamental, disse o porta-voz da Polícia de Cabul, Hashmat Stanikzai.

Os insurgentes afegãos anunciaram há semanas em comunicado a sabotagem das eleições com ataques a seções eleitorais, mesários e forças de segurança. Desde então, houve uma série de ataques na capital contra alvos institucionais e estrangeiros, apesar do envio de 95 mil soldados e 48 mil policiais para tentar garantir a segurança.

Na semana passada, os insurgentes atacaram as sedes sociais da comissão eleitoral do Afeganistão, quando cinco talebans morreram dois policiais ficaram feridos. Sete pessoas, entre elas uma menina de 10 anos e um motorista, morreram em um ataque suicida contra uma casa de hóspedes de uma ONG estrangeira em Cabul.

As eleições deste ano estão marcadas pela saída do poder do presidente Hamid Karzai e a retirada das tropas internacionais do Afeganistão no final deste ano. Segundo observadores locais, o principal desafio do novo governo será negociar com o Taleban se quiser evitar um guerra civil./ EFE e AP

 
Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãotaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.