Ataque suicida mata 40 em velório no Paquistão

Um militante suicida matou pelo menos40 pessoas durante o velório de um policial no distritopaquistanês de Swat, dias depois de o exército começar aretomar o controle daquela região montanhosa. Um outro militante jogou seu carro-bomba em um veículocarregando forças paramilitares na região a nordeste do país nosábado, matando um civil e ferindo 17 outros, incluindo novesoldados. O vice-superintendente Karamat Shah, que estava entre asmais de 500 pessoas presentes ao funeral, disse que o militanteatacou na sexta-feira depois das orações ao policial morto. Membros da inteligência paquistanesa disseram que 40pessoas morreram. E um médico local afirmou que 81 pessoasestavam feridas. No início da semana, o exército do Paquistão, que vemcombatendo militantes na região por meses, disse haver retomadoa maior parte das áreas, excluindo alguns bolsões deresistência. O ataque no funeral faz parte de um ressurgimento daviolência que faz crescer as preocupações sobre a estabilidadeno Paquistão, menos de duas semanas depois de uma eleição terrecolocado o país sob uma democracia liderada por civis. Na segunda-feira, o principal oficial médico do exércitofoi morto por um militante suicida na cidade de Rawalpindi. Elefoi o oficial mais graduado morto até o momento. O policial que foi entrerrado em Swat era um dos trêsmortos na sexta-feira, quando seu veículo foi atingido por umabomba na região fronteiriça a noroesta do país, onde atuammilitantes do Taleban e da Al Qaeda. Mais de 450 pessoas morreram em ações de militantes nesteano. Uma campanha com militantes suicidas alvejando forças desegurança intensificou-se depois que o exército bombardeou aMesquita Vermelha, de Islamabad, em julho último, para reprimirum movimento estudantil militante. (Reportagem adicional Kamran Haider e Zeeshan Haider)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.