Wakil Koshar/AFP
Wakil Koshar/AFP

Explosão de carro-bomba em Cabul mata uma criança e fere mais de 10 pessoas

Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque; comandante da polícia da capital afegã disse que ação foi um atentado suicida, mas não ficou claro qual era o alvo pretendido

O Estado de S.Paulo

02 Março 2018 | 03h24
Atualizado 02 Março 2018 | 12h47

CABUL - Um carro-bomba explodiu nesta sexta-feira, 2, na capital do Afeganistão deixando uma criança morta e mais de dez pessoas feridas, informaram as autoridades. Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria da ação.

+ Presidente do Afeganistão propõe reconhecer Taleban como grupo político

Explosão aconteceu durante a passagem de um comboio da missão da Otan no Afeganistão, informou uma fonte oficial. Segundo o porta-voz do Ministério do Interior do país, Najib Danish, todas as vítimas são civis.

+ Ataque contra base militar afegã deixa 18 soldados mortos; Taleban reivindica autoria

Bismillah Tabaan, comandante de polícia do 9.º distrito de Cabul, onde aconteceu a explosão desta manhã, disse que se tratou de um atentado suicida, mas que não ficou claro qual era o alvo pretendido.

A imprensa afegã exibiu imagens dos danos nas fachadas das casas próximas ao local da ação e testemunhas relataram uma explosão muito forte.

O ataque acontece dois dias depois que o presidente afegão, Ashraf Ghani, propôs iniciar conversas de paz com o Taleban, e pouco mais de um mês após uma ambulância cheia de explosivos ser detonada no centro de Cabul, deixando cerca de 100 mortos.

Relembre: EI reivindica autoria de ataque contra academia militar em Cabul

Ghani anunciou a proposta na abertura da segunda conferência do chamado Processo de Cabul, e impôs como condição prévia aos insurgentes que declarem um cessar-fogo e reconheçam a Constituição de 2004, com o objetivo de acabar com 17 anos de guerra.

Contudo, em sua primeira reação no Twitter, os taleban afirmaram que atender às condições seria o equivalente a uma rendição. / REUTERS, AFP, EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.