Ataque suicida no Paquistão deixa quatro mortos e 30 feridos

Versões do atentado dão conta de que haveria seis mortos e 40 feridos em Badh Ber, próximo a Peshawar

Efe e Associated Press,

16 Novembro 2009 | 02h58

Explosão atingiu casas, lojas, posto policial e mesquita. Foto: Faisal Mahmood/Reuters

 

ISLAMABAD - Pelo menos quatro pessoas morreram nesta segunda-feira, 16, e ao menos 30 ficaram feridas em um ataque suicida perto de uma delegacia de polícia nos arredores da cidade de Peshawar, na região noroeste do Paquistão.

 

A explosão ocorreu no povoado de Badh Ber, destruindo casas, lojas e danificando o posto policial e uma mesquita. O local está próximo de uma base da Força Aérea paquistanesa.

 

O chefe da administração do distrito de Peshawar, Sahibzada Anis, citado pelo canal privado Geo TV, explicou que o suicida detonou a carga que transportava em seu veículo depois que as forças de segurança pediram ao motorista que fizesse um parada na área de Badhbeer, na estrada que leva ao município de Kohat.

 

Enquanto isso, o canal Express TV, que não informa suas fontes, aumentou para 6 o número de vítimas fatais e para 40 a de feridos. De acordo com esta versão, o ataque, no qual foram utilizados 200 quilos de explosivos, aconteceu às 7h55 local (0h55 de Brasília) e tanto o prédio que abriga a delegacia como uma mesquita próxima ficaram seriamente danificados pela explosão.

 

Os feridos, entre os quais há mulheres, foram transferidos para vários hospitais da localidade para receber assistência médica.

 

As forças de segurança isolaram a região e se declarou o estado de emergência nos hospitais, enquanto as equipes de salvamento se deslocaram ao local da explosão para realizar trabalhos de resgate. As autoridades temem que haja vítimas presas entre os escombros.

 

Tanto o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, como o primeiro-ministro, Yousuf Raza Gillani, condenaram o ataque e mostraram sua determinação na luta contra o terrorismo.

Mais conteúdo sobre:
atentado Paquistão Peshawar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.