Ataque tribal no Iêmen mata oficial de Exército e deixa 15 soldados feridos

Pelo menos 12 membros de braço iemenita da Irmandade Muçulmana morreram na ação

Efe

26 Setembro 2011 | 11h43

SANAA - Um general de brigada das Forças Armadas iemenitas morreu nesta segunda-feira e 15 soldados ficaram feridos em um ataque cometido por combatentes tribais contra um quartel militar próximo a Sana, informaram à Agência Efe fontes das tribos.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

As mesmas fontes revelaram que pelo menos 12 milicianos tribais ligados ao partido opositor Reforma Islâmica, braço político da Irmandade Muçulmana no Iêmen, morreram no mesmo incidente.

 

 

Os fatos se desencadearam quando centenas de guerrilheiros tribais atacaram o prédio da administração do quartel militar em Arhab, a 30 quilômetros da capital.

 

Os agressores invadiram as instalações, sede do batalhão número 63 da Guarda Republicana, após uma noite de confrontos violentos que terminaram nesta manhã com o assassinato do general de brigada Ahmed Abdullah al Kalibi, além da captura de 30 homens.

 

Uma fonte do Exército confirmou à Efe a morte do oficial e acrescentou que os combatentes destruíram a sede administrativa do quartel, queimaram nove veículos blindados e roubaram vários carros militares.

 

Além disso, testemunhas informaram que a aviação militar iemenita bombardeou a mesma região nesta manhã. Estes incidentes ocorreram depois da morte de pelo menos duas pessoas no domingo, também por bombardeios da Guarda Republicana contra dirigentes tribais e opositores.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.