Ataques aéreos americanos matam 45 talebans no Paquistão

Ofensiva ocorreu em Waziristão do Sul, na fronteira com o Afeganistão; mortos podem chegar a 50

Associated Press,

08 de julho de 2009 | 15h36

Aviões não tripulados dos EUA lançaram nesta quarta-feira, 8, dois ataques con mísseis contra campos do Taleban na zona tribal de Wrizistão do Sul e mataram pelo menos 45 insurgentes. Os locais atingidos são prováveis lugares onde estariam o líder do Taleban paquistanês e líderes da Al Qaeda.

 

O Exército americano confirmou que um alto comandante do taleban em outra área do noroeste paquistanês, o Vale do Swat, foi ferido em um ataque, mas não deu maiores detalhes.

 

Waziristão do Sul fica na fronteira com o Afeganistão e é a região onde se encontra o líder do Taleban paquistanês Baitula Mehsud. Nessa zona, as forças armadas paquistanesas atacam os militantes com bombas e explosivos e, segundo informa o Exército, estão reduzindo a resistência de Mehsud antes de iniciar uma ofensiva terrestre para eliminá-lo. Muito dos ataques terroristas ocorrido no país nos últimos anos foram atribuídos a Mehsud.

 

No primeiro ataque desta quarta-feira, seis mísseis caíram antes do amanhecer em um campo de treinamento em uma região montanhosa na zona de Karwan Manza, próxima da fronteira com o Afeganistão, disseram funcionários da inteligência que pediram para não ser identificados. Segundo essas fontes, dez talebans morreram nesse ataque, mas suas identidades e nacionalidades não eram conhecidas.

 

Algumas horas depois, 20 quilômetros a oeste, mísseis que haviam sido lançados de outro avião não tripulado atingiram quatro veículos que levavam rebeldes talebans, dos quais pelo menos 35 morreram, entre eles um importante comandante da milícia, disse um agente da inteligência. Outros funcionários disseram que poderia haver até 50 mortos.

 

Não era possível checar as informações sobre as baixas nos locais atingidos, já que a região é remota e de difícil acesso para a imprensa. Agentes das forças armadas americanas não se pronunciaram sobre esses ataques.

 

Essa foi a sexta ofensiva aérea em pouco mais de duas semanas na zona tribal de Waziristão do Sul, o que indica que Washington também procura eliminar Mehsud na preparação para uma operação maior no Paquistão.

 

O Exército paquistanês, entretanto, afirma que tais ataques têm prejudicado suas operações na região, já que geram conflitos com os líderes locais tribais, com os quais os paquistaneses buscam uma aliança contra o Taleban.

 

Estima-se que os EUA tenham lançado mais de 40 ataques contra os Talebans na zona fronteiriça desde agosto, no quais já morreram várias centenas de pessoas. Washington, entretanto, não admite diretamente ter lançado os mísseis, que matam civis além dos militantes e contribuem com reações antiamericanas no Paquistão.

 

Islamabad oficialmente protesta contra os ataques como violações à sua soberania, mas a maioria dos especialistas consideram que o governo paquistanês apoia secretamente e provavelmente oferece aos EUA dados de inteligência sobre o Taleban.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.