Ataques aéreos isralenses deixam 19 mortos no Líbano

Apesar da aprovação pela ONU de uma resolução que determina o cessar das hostilidades entre Israel e o grupo islâmico libanês Hezbollah, a aviação e o Exército israelenses prosseguiram com a ofensiva no sul do Líbano neste sábado, deixando ao menos 19 pessoas mortas em todo o país. O ataque mais violento aconteceu na vila de Rachaf, a 7 quilômetros da fronteira israelense, onde ao menos 15 civis foram mortos, segundo fontes de segurança libanesas.Mísseis israelenses também abateram um veículo em Kharayeb, uma vila localizada no meio do caminho entre a fronteira israelense e a capital Beirute. Ao menos três pessoas morreram e cinco ficaram feridas.A décima nona vítima dos bombardeios israelenses deste sábado foi um soldado libanês morto em um ataque aéreo próximo a uma base militar no Vale do Bekaa.Em outros episódios, a aviação de Israel destruiu trechos de uma estrada que dá acesso à única passagem ainda aberta para a Síria - na cidade de Arida, no norte do país -, danificando severamente a última rota para a entrada de ajuda humanitária no Líbano. Um ataque separado também destruiu uma ponte ligando as cidades de Tiro e Nabatiyeh à Sidon, no sul.Fragmentos de mísseis atirados contra a vila de Insariyeh, no meio do caminho entre Tiro e Sidon, atingiram um veículo que levava jornalistas libaneses trabalhando para uma rede de TV sueca. Um dos profissionais ficou ferido.Na cidade de Baalbek, leste do país, um prédio de apartamentos que abrigava uma organização de caridade sustentada pelo Hezbollah foi bombardeado, e três pessoas ficaram feridas. Entre os alvos da aviação israelense estavam centrais elétricas nas cidades de Tiro e Sidon, que ficaram às escuras após o bombardeio. Segundo um funcionário da usina de Sidon, a energia só poderá ser restabelecida em 10 dias.As batalhas terrestres também foram intensas no sul do Líbano. Tropas israelenses travaram intensos combates com militantes do Hezbollah em El-Ghandourieh, a 12 quilômetros da fronteira israelense. Ainda não está claro se os comandos israelenses chegaram à região por terra ou de helicóptero. A área está próxima ao Rio Litani, que separa o centro e o leste do Líbano do sul do país - este último, território que Israel pretende ver "limpo" de guerrilheiros do Hezbollah.De acordo com o Hezbollah, os guerrilheiros teriam destruído nos últimos confrontos 16 tanques israelenses e matado ou ferido "um grande número" de soldados israelenses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.