Ataques aéreos matam 13 perto de Damasco

Ativistas sírios disseram que pelo menos 13 pessoas, dentre elas oito crianças, foram mortas após um ataque aéreo das forças do regime do presidente Bashar Assad a um subúrbio de Damasco.

AE, Agência Estado

14 de janeiro de 2013 | 10h13

O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado em Londres, informou que aviões sírios atingiram áreas residenciais de Maadamiyeh, ao sul de Damasco, na manhã desta segunda-feira. Segundo o grupo, pelo menos sete pessoas estavam presas debaixo dos escombros. O grupo recebe informações de ativistas que permanecem em território sírio.

Os ataques desta segunda-feira ocorreram um dia depois de fortes bombardeios contra áreas estratégicas nas proximidades da capital, de onde o governo tenta expulsar os rebeldes. Pelo menos 45 pessoas morreram.

O grupo de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) afirmou nesta segunda-feira que o regime sírio tem usado foguetes contendo bombas de cacho, o que marca uma expansão no uso desse tipo de munição, que é proibida.

O HRW já havia relatado que as forças sírias estavam usando bombas de cacho. "A Síria está intensificando e expandindo o uso de munições de cacho, apesar das críticas internacionais ao uso desse tipo de arma, que é proibida", disse o diretor da divisão de armas do HRW, Steve Goose, em comunicado.

Conselho de Segurança

Pelo menos 55 países vão exigir, nesta segunda-feira, que o Conselho de Segurança encaminhe o conflito sírio para o Tribunal Penal Internacional (TPI) para investigação sobre crimes de guerra.

O pedido será feito em carta organizada pela Suíça, que passou sete meses coletando signatários. O Conselho de Segurança, composto por 15 membros, é o único organismo que pode encaminhar o assunto para o TPI.

O porta-voz da missão suíça na ONU, Adrian Sollberger, disse que a carta será entregue nesta segunda-feira. Outras fontes diplomáticas disseram que 55 países assinaram e que outros ainda podem aderir, embora a iniciativa tenha pouca chance de sucesso. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaviolênciamortesHRW

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.