EFE
EFE

Ataques aéreos no Iraque deixam 6 curdos e 31 jihadistas mortos

EI lançou bombas contra pontos das forças curdas peshmergas; jihadistas morreram em ataques aéreos da coalizão internacional

O Estado de S. Paulo

26 de dezembro de 2014 | 12h46

MOSSUL - Ataques aéreos do Estado Islâmico (EI) e da coalizão internacional no norte do Iraque deixaram ao menos 31 jihadistas e seis curdos das forças peshmergas mortos nesta sexta-feira, 26.

A coalizão internacional, liderada pelos EUA, realizou cinco ataques aéreos contra pontos do EI em Mossul, deixando 31 jihadistas mortos e mais de 40 feridos. Segundo o chefe do Comitê de Segurança de Nínive, Ibrahim al Bayati, entre os mortos está o dirigente militar do grupo extremista Hasan Saeid al Yaburi, conhecido como Abi Talut.


Na cidade de Sinjar, o EI atirou bombas deixando seis curdos das forças peshmergas mortos e 11 feridos.

No dia 19, os peshmergas conseguiram romper o assédio imposto pelo EI ao monte Sinjar e começaram a retirar os civis que estavam cercados no local fazia quatro meses. Após horas de duros combates, chegaram ao topo do monte, parte de uma ampla ofensiva que contou com a participação de oito mil combatentes curdos.

Dois dias depois, as tropas curdas entraram na cidade de Sinjar apoiadas pela aviação da coalizão internacional. Desde o início dessa ofensiva, há duros choques entre os peshmergas e os jihadistas.

Os combates estão concentrados, sobretudo, no sul de Sinjar, onde as forças curdas têm o controle total de pelo menos dois bairros, o de Al Shohada e o de Peshmerga.

Os jihadistas, que controlam Sinjar desde agosto, contam em algumas zonas com o apoio de tribos sunitas, que desconfiam das autoridades xiitas e suas milícias. /EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEstado IslâmicoMossul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.