Ataques com carros-bomba matam mais de 60 na Síria

A explosão de um carro-bomba nesta segunda-feira em um ataque suicida deixou pelo menos 50 mortos na província de Hama, na região central da Síria, informaram ativistas do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede em Londres. O atentado, ocorrido no vilarejo de Ziyara, tinha como alvo um posto de segurança do Exército sírio, de acordo com a TV estatal local. Um outro carro-bomba que tinha como alvo forças do governo explodiu em Damasco, matando mais 11 pessoas, confirmou a televisão estatal Sana. Também ocorreram confrontos nesta segunda-feira entre rebeldes sírios de facções diferentes pelo controle de um posto na fronteira com a Turquia, o que evidenciou mais uma vez a falta de união dos insurgentes que tentam derrubar o governo do presidente Bashar Assad.

AE, Agência Estado

05 de novembro de 2012 | 17h48

Também nesta segunda-feira, prosseguiram as reuniões do Conselho Nacional da Síria (CNS) no Catar. Na semana passada, o governo dos Estados Unidos declarou que o CNS é "ineficaz" e precisa ser ampliado para ter uma participação efetiva nos eventos que ocorrem atualmente na Síria. Formado em grande parte por professores universitários e políticos exilados, o CNS funciona em grande parte na Turquia e no Catar. "O CNS está vivendo uma luta existencial no momento" disse o analista político Salman Shaihkh, no Catar. O CNS se reunirá novamente na terça-feira, quando deve votar a proposta de Riad Seif, um dissidente sírio que apoia o plano dos Estados Unidos para o CNS. Segundo esse plano, o CNS manterá apenas 15 das 50 cadeiras que detém atualmente e o restante será distribuído a dissidentes sírios que lutam contra Assad dentro da Síria.

Ativistas também relataram nesta segunda-feira a ocorrência de pesadas batalhas entre rebeldes oposicionistas e forças do governo apoiadas por combatentes palestinos na capital síria, Damasco. Segundo Rami Abdul Rahman, presidente do Observatório Sírio, as lutas estão concentradas no bairro de Tadamon, na região sul da cidade, e nas cercanias do campo de refugiados palestinos de Yarmouk.

O ativista damasceno Abu al-Shami afirmou que os palestinos estão divididos na guerra civil síria. Enquanto uma parte, chefiada por Ahmed Jibril, da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) apoia Bashar Assad, outra parte aderiu aos insurgentes. Combates pesados entre grupos palestinos contra e a favor de Assad ocorreram nesta segunda-feira perto de Yarmouk, reportaram ativistas. O Observatório não tem informações sobre quantas pessoas foram vitimadas nesses combates, mas na noite de domingo morteiros foram disparados contra Yarmouk, matando oito pessoas.

A FPLP, que controla parcialmente Yarmouk, disse que o campo de refugiados foi atacado no domingo por "gangues de terroristas".

Segundo a Agência das Nações Unidas para Refugiados Palestinos (UNRWA, pela sigla em inglês) cerca de 486 mil refugiados palestinos e descendentes vivem na Síria em doze campos de refugiados. Na Síria, ao contrário de certos países árabes, os palestinos tinham acesso aos serviços sociais, escolas e geralmente recebiam um tratamento digno antes do começo da guerra civil. Os dados da UNRWA são de janeiro de 2012.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.