Ataques continuam no Ramadã, diz Blair a Musharraf

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, refutou, nesta quinta-feira, o pedido do presidente paquistanês, Pervez Musharraf, de que os bombardeios contra o Afeganistão sejam interrompidos durante o Ramadã, o mês mais sagrado para os muçulmanos, que se inicia na semana que vem.Musharraf visitou brevemente, nesta quinta à tarde, o líder britânico em Londres, depois de uma curta visita pela manhã ao presidente da França, Jacques Chirac, em Paris. Ele está a caminho dos Estados Unidos, onde se reunirá com o presidente George W. Bush."É de esperar que a operação militar termine o mais rápido possível, antes do mês do Ramadã", declarou Musharraf aos repórteres, ao lado de Blair e diante da sede do governo britânico, em Londres.O presidente paquistanês é um aliado-chave dos EUA e da Grã-Bretanha na luta contra a milícia Taleban, que antes dos atentados de 11 de setembro era fortemente apoiada pelo Paquistão."Acho que todo mundo compreende que a campanha tem de continuar, até que seus objetivos tenham sido alcançados", disse Blair, ressalvando, porém, que a coalizão antiterrorismo - na qual a Grã-Bretanha é a principal aliada dos EUA - deve levar em consideração os sentimentos dos muçulmanos sobre o Ramadã.Pela manhã, em Paris, Musharraf afirmou que os bombardeios durante o Ramadã poderia causar a perda de apoio no mundo islâmico.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.