Ataques contra eleições na Índia deixam 12 mortos

Grupo de rebeldes maoístas tenta interromper a votação nacional

AE, Agência Estado

12 de abril de 2014 | 09h13

Rebeldes maoistas da Índia mataram 12 pessoas em dois ataques separados no Estado de Chhattisgarh, no centro do país, em meio à onda de violência que visa interromper a eleição nacional.

Cinco funcionários eleitorais e dois motoristas de ônibus foram mortos na explosão de uma mina terrestre durante a viagem, de Kutru, para Bijapur antes da votação agendada para próxima semana no local, disse o diretor-geral da polícia, A.N. Upadhyay. Quatro pessoas ficaram feridas e estão sendo tratado em um hospital.

Em outro ataque ocorrido neste sábado, 12, os rebeldes mataram cinco soldados paramilitares em uma emboscada na floresta Darbha, no sul do Estado.

Os rebeldes, que dizem ser influenciados pelo líder revolucionário chinês Mao Tsé-tung, têm lutado por mais de três décadas por uma parcela maior da riqueza dos recursos naturais da região e mais empregos para os pobres.

Normalmente, eles têm como alvo funcionários do governo e agentes das forças de segurança. Apesar de terem uma presença em 20 dos 28 Estados da Índia, eles são mais ativos em Chhattisgarh, Jharkhand, Bihar, Bengala Ocidental e Andhra Pradesh.

A eleição no país tem duração de cinco semanas e termina em 12 de maio, com a divulgação sobre o destino dos 543 assento da Câmara Baixa do Parlamento em 16 de maio. (Fonte: Associated Press)

Tudo o que sabemos sobre:
índiaeleiçãoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.