Rajesh Kumar/Reuters
Rajesh Kumar/Reuters

Ataques da guerrilha maoista matam 17 nas eleições indianas

Votação em áreas de insurgência maoista foram divididas em várias fases para garantir implantação de segurança

Agências internacionais,

16 de abril de 2009 | 04h46

Pelo menos 17 pessoas morreram nesta quinta-feira, 16, em vários ataques da guerrilha maoista em todo o leste da Índia, onde começaram há poucas horas as eleições legislativas.

 

Veja também:

lista Entenda o pleito que levará 714 milhões às urnas

 

Durante um mês, 714 milhões de indianos devem comparecer às urnas para escolher 543 deputados da Assembleia Popular, que representarão 35 Estados e territórios. No Estado de Jharkhand, local de atividades maoistas, os rebeldes detonaram uma mina e emboscaram um ônibus que transportava forças de segurança para as mesas de votação. Sete soldados e dois civis morreram no ataque, informou S.N. Pradhan, porta-voz da polícia do distrito de Latehar, localizado a 140 quilômetros da capital Ranchi, e palco de uma série de ataques mortais maoistas nos últimos dias.

 

No vizinho Estado de Bihar, os rebeldes mataram dois funcionários da segurança e feriram um outro no distrito de Gaya, disse a agência de notícias Press Trust of India, quando um grupo de insurgentes armados atacou o colégio eleitoral que vigiavam.

 

No Estado de Chattisgarh, vários confrontos foram relatados nos distritos de Bijapur e Dantewada, parte de uma região densamente arborizada que serve de base principal dos rebeldes. Cinco funcionários destacados para controlar o desenvolvimento das eleições morreram na explosão de uma bomba, enquanto um membro das forças de segurança foi vítima de um tiroteio com maoístas, segundo a agência Ians. Além disso, grupos de rebeldes maoístas abriram fogo contra seis colégios eleitorais da conflituosa região de Bastar, também em Chhattisgarh, pouco depois que começou o processo eleitoral. Os tiroteios, porém, não causaram vítimas.

 

Vários insurgentes atacaram também um posto de votação e incendiaram máquinas de voto eletrônico e um veículo na região oriental de Orissa, onde acontece também pleito para o Legislativo regional. Os insurgentes intensificaram nos últimos dias suas ações e chegaram a ameaçar cortar as mãos dos cidadãos que votem.

 

Os guerrilheiros maoistas, conhecidos na Índia como naxalitas depois que em 1967 protagonizaram uma revolta contra as forças de segurança na aldeia bengali de Naxalbari, reivindicam um Estado comunista no centro e no leste do país. As eleições em áreas afetadas pela insurgência maoista foram divididas ao longo de várias fases para assegurar a adequada implantação da segurança. Os maoistas dizem que estão lutando pelos direitos das negligenciadas populações tribais e dos agricultores sem terra no país.

 

Matéria atualizada às 7h35.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.