Ataques de aviões não tripulados dos EUA matam 36 no Paquistão

País norte americano participa de uma agressiva campanha de ataques com mísseis na fronteira afegã-paquistanesa para eliminar fortificações da insurgência talibã e da Al Qaeda

12 de julho de 2011 | 03h52

ISLAMABAD - Pelo menos 36 pessoas morreram na noite de segunda-feira, 11, em vários ataques lançados por aviões não tripulados dos Estados Unidos nas fortificações talibãs do Waziristão do Norte e do Sul, informou o canal televisivo Geo.

 

Os EUA lançaram seu primeiro ataque com mísseis no Waziristão do Norte contra uma caminhonete e pouco depois contra uma casa na zona de Datta Khel, em ações que mataram 25 pessoas e feriram outras dez, segundo fontes locais citadas pela Geo.

 

Entre cinco e dez pessoas morreram em outro ataque de um avião-espião americano quando viajavam em um veículo rumo à fronteira do Paquistão com o Afeganistão, perto desta zona.

 

O último bombardeio americano aconteceu na manhã desta terça-feira, 12, na demarcação vizinha do Waziristão do Sul, na zona de Barmal, e matou pelo menos seis pessoas.

 

Os veículos da imprensa paquistanesa ofereceram diferentes números de mortos em cada um dos ataques.

 

Os EUA levam a cabo uma agressiva campanha de ataques com mísseis na fronteira afegã-paquistanesa para eliminar fortificações da insurgência talibã e da rede terrorista Al Qaeda.

 

Até o ano passado, o Paquistão colaborou ativamente com os EUA para localizar alvos insurgentes, mas nos últimos meses se mostrou muito crítico com relação ao programa.

 

As relações entre os dois países chegaram aoextremo depois de 2 de maio, quando uma operação unilateral dos EUA foi realizada em território paquistanês para matar o chefe da Al Qaeda, Osama bin Laden.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoEUAataquesterroristas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.