Ataques de drones deixam cinco mortos no Paquistão

Dois ataques de drones americanos mataram pelo menos cinco militantes no, Wazirquistão do Norte, região tribal no noroeste do Paquistão onde o Exército dos EUA tem lutado contra insurgentes desde junho, informaram forças de inteligência paquistanesas, nesta quinta-feira.

Estadão Conteúdo

09 de outubro de 2014 | 15h54

No primeiro ataque, dois drones atiraram mísseis que atingiram um veículo no vilarejo de Datta Khel, no Wazirquistão do Norte, no final da noite de quarta-feira, deixando pelo menos dois militantes mortos, de acordo com autoridades. Dois outros mísseis atingiram um complexo militar e mataram três militantes na mesma região, na manhã desta quinta-feira, informou um oficial na condição de anonimato.

Horas depois, o primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, em rara visita ao Wazirquistão do Norte, anunciou que o país estava "ganhando a guerra contra o terrorismo" na área conflituosa. O discurso foi uma forma do líder paquistanês demonstrar força em meio a protestos que duram semanas na capital, Islamabad, onde opositores pedem sua saída e alegam fraudes na eleição de 2013.

Sharif disse que espera que o sucesso da operação militar no Wazirquistão do Norte leve a uma paz duradoura em todo o Paquistão. O Exército do país afirma que matou mais de 1.100 militantes nas operações e que mais de 80% do Wazirquistão do Norte está sob controle militar. Mais de 800.000 pessoas que foram desalojadas dentro do país devido à ofensiva serão autorizadas a voltarem para suas casa em breve, de acordo com o Exército.

A ação militar na região conhecida por abrigar combatentes estrangeiros, incluindo a Al-Quaeda, foi iniciada em junho. Os ataques de drones americanos são fortemente impopulares no Paquistão, onde são vistos como uma violação da soberania nacional e muitos vezes provocam a morte ou o ferimento de civis. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoEUAviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.