Ataques de helicópteros sírios deixam 42 mortos em Aleppo, relata ONG

'Bombas de barril' mataram dezenas de civis no último mês, de acordo com a Human Rights Watch

Mariam Karouny, Reuters

22 de dezembro de 2013 | 16h02

Ao menos 42 pessoas, incluindo crianças, morreram neste domingo quando helicópteros do Exército sírio soltaram bombas improvisadas em barris na província de Aleppo, disse um grupo de monitoramento da violência na Síria. O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, organização sediada em Londres, afirmou que ataques aéreos atingiram diversos distritos de Aleppo, o pior deles em Hanano, no leste da cidade. Pelo menos seis crianças estão entre os mortos, segundo o observatório.

A Human Rights Watch disse em relatório no fim de semana que os ataques feitos com as chamadas "bombas de barril" mataram dezenas de civis em Aleppo no último mês. A ONG descreveu os ataques como ilegais e disse que atingiram áreas residenciais e comerciais.

As bombas de barril são feitas em cilindros ou barris de petróleo, cheios de explosivos, e são frequentemente atiradas de helicópteros. As bombas, que geralmente atingem alvos precisos, são capazes de causar baixas generalizadas e danos significativos.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaconflito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.