Ataques deixam 10 mortos hoje na Caxemira

Pelo menos 10 pessoas morreram e47 ficaram feridas hoje quando supostos rebeldes islâmicosatacaram dois templos hindus na Caxemira indiana, informou apolícia. Os rebeldes advertiram ao novo governo do Estado que ahistórica revolta contra a Índia não acabou. Quatro horas após o primeiro templo ter sido atacado nocomplexo religioso de Raghunath, de 150 anos, novo tiroteiocomeçou em outro templo, o de Shiv, a 200 metros de distância,no centro de Jammu, capital de inverno do Estado indiano deJammu-Caxemira. Cinco civis, um agente de segurança e um rebelde forammortos no primeiro ataque às 7 horas locais (11h30 de Brasília)e outro agente foi morto no segundo. Não estava claro se otiroteio no segundo templo foi iniciado pelos rebeldesenvolvidos no primeiro ataque.O inspetor-geral da polícia paramilitar, A.K. Sarin, disse queos extremistas islâmicos primeiro detonaram uma bomba no mercadode Jammu. Então, aproveitaram a confusão provocada para entrarno templo de Raghunath, construído em 1860 em honra ao deushindu Rama. Sarin disse que a escuridão dentro do templo e agrande quantidade de fiéis tomados como reféns dificultaram aoperação. Dezenas de policiais e soldados com coletes à prova debalas e armas automáticas invadiram o templo de Raghunath depoisde retirar os civis das proximidades. A polícia também pediu aoscâmeras das tevês que desligassem as luzes, pois poderiamtornar-se alvos fáceis. Cerca de 61 mil pessoas foram mortas na Caxemira desde oinício da atual rebelião islâmica em 1989. Mais de 40 pessoasmorreram em diversos ataques entre sexta-feira e hoje, incluindoas vítimas nos templos e as 12 pessoas mortas na explosão de umamina terrestre, que os rebeldes disseram ser uma mensagem aonovo líder do Estado, que prometeu trazer paz à disputadaregião. A Índia, de maioria hindu, e o Paquistão, de maioriamuçulmana, já travaram duas de suas três guerras pela Caxemira,de maioria muçulmana, dividida entre os dois países após suaindependência da Grã-Bretanha em 1947.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.