Ataques deixam 38 mortos no Sri Lanka, diz funcionário

Um funcionário do setor de saúde do Sri Lanka afirmou hoje que pelo menos 38 pessoas morreram e outras 140 ficaram feridas em ataques aéreos e de artilharia do governo no estreito território controlado por rebeldes. O médico Thurairaja Varatharaja, que trabalha na região conflagrada, afirmou que 13 membros de uma grande família foram mortos hoje, quando a residência deles foi atingida, na vila Idaikkadu. Segundo ele, a vila fica na "zona de segurança", área designada pelo governo.Thurairaja afirmou que outros 25 corpos foram levados a seu hospital após a força aérea realizar hoje duas investidas. Ele disse que testemunhas relataram até 80 mortes nesses ataques. O porta-voz militar, brigadeiro Udaya Nanayakkara, nega que suas forças atirem contra civis, afirmando que os alvos são apenas posições dos rebeldes. O governo luta contra o grupo Exército de Libertação dos Tigres do Tamil Eelam (LTTE) em uma guerra civil que já dura mais de 25 anos e matou pelo menos 70 mil pessoas. O LTTE busca um território independente para a minoria tâmil, marginalizada pelo governo de maioria cingalesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.