Ataques deixam 39 mortos em Bagdá e proximidades

Saad Maan Ibrahim, porta-voz do Ministério do Interior, disse que os ataques têm a marca do braço da Al-Qaeda no Iraque

Agência Estado

08 de dezembro de 2013 | 13h32

Pelo menos 11 explosões foram registradas em áreas predominantemente xiitas da capital iraquiana e proximidades neste domingo, 8, deixando pelo menos 39 mortos em mercados, bairros comerciais e oficinas de automóveis.

Os ataques fazem parte de uma onda de violência que se espalha pelo Iraque desde uma violenta repressão a um acampamento de protestos sunita, em abril. De lá para cá, o derramamento de sangue atingiu níveis que não eram vistos no país desde o período entre 2006 e 2007.

Nenhum grupo havia assumido a responsabilidade pelos ataques, mas grupos insurgentes costumam atacar civis em cafés e áreas públicas de bairros xiitas, numa tentativa de prejudicar a confiança no governo, liderado também por xiitas elevar a já altas tensões sectária no país.

O ataque mais violento aconteceu no bairro de Baiyaa, onde um carro-bomba explodiu no interior de uma oficina, matando sete pessoas e deixando 14 feridas, informou a política.

A explosão de outro carro-bomba, que estava numa rua comercial do centro de Bagdá, matou outras quatro pessoas. Seis pessoas morreram e 22 ficaram feridas no bairro de Ghadeer quando outro veículo explodiu nas proximidades de um escritório fiscal do governo.

Saad Maan Ibrahim, porta-voz do Ministério do Interior, disse que os ataques de hoje têm a marca do braço da Al-Qaeda no Iraque.

"Terroristas da Al-Qaeda têm atacado alvos fáceis porque não são capazes de confrontar as forças de segurança", declarou Ibrahim. "Eles querem enviar a mensagem de que ainda são fortes."

Pelo menos 127 pessoas morreram em ataques no Iraque somente neste mês, segundo contagem da Associated Press. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueviolênciaxiitas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.