Ataques deixam 65 mortos no Iraque

Uma série de ataques no Iraque deixou 65 mortos e dezenas de feridos nesta quarta-feira, segundo autoridades. Na região da capital Bagdá, ofensivas com bombas atingiram regiões habitadas por muçulmanos xiitas quando os moradores estavam nas ruas fazendo compras ou a caminho do trabalho.

AE, Agência Estado

28 Agosto 2013 | 08h09

Além dos incidentes com explosivos, o número de mortos inclui sete membros da mesma família que foram mortos por um homem armado. O agressor invadiu o domicilio da família e atirou contra os sete enquanto eles dormiam.

As bombas foram colocadas em carros ou acionadas em ataques suicidas. Entre os alvos estavam estacionamentos, mercados ao ar livre e restaurantes em bairros predominantemente xiitas de Bagdá, segundo autoridades. Um comboio militar também foi atingido ao sul da capital.

O bairro de Kazimiyah, que abriga um conhecido santuário xiita, foi o mais atingido. Duas bombas explodiram em um estacionamento e, em seguida, um carro-bomba foi acionado, ferindo várias pessoas que se reuniam no local. A polícia disse que 10 pessoas foram mortas e 27 ficaram feridas.

Nenhum grupo reivindicou imediatamente a responsabilidade pelos ataques, contudo os incidentes traziam marcas do braço iraquiano da Al-Qaeda. O grupo frequentemente tem xiitas como alvos, pois são considerados pelos rebeldes como hereges, e emprega atentados coordenados em uma tentativa de incitar a luta sectária.

A família xiita morta a tiros em casa foi encontrada na cidade de Latifiyah, cuja maioria dos moradores é formada por sunitas. O local fica cerca de 30 quilômetros ao sul de Bagdá. Três crianças, com idades entre oito e 12 anos, foram mortas, juntamente com seus pais e dois tios, segundo a polícia.

Autoridades disseram que a família já havia fugido da cidade depois de ser ameaçada, mas retornou há apenas três semanas. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
iraqueviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.