Ataques deixam dezenas de mortos no nordeste da Nigéria

Vilarejos em Chibok, onde 276 meninas foramcapturadas pelo Boko Haram em abril, tiveram casas e igrejas queimadas

MAIDUGURI, NIGÉRIA, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2014 | 02h04

Três vilarejos na cidade de Chibok, no nordeste da Nigéria, foram atacados simultaneamente ontem por supostos militantes islâmicos, deixando dezenas de mortos.

Segundo um sobrevivente que morava em Kautikiri, a 5 quilômetros do local onde 276 meninas foram sequestradas em abril pelo movimento extremista islâmico Boko Haram, cerca de 20 homens chegaram em picapes e motos e atiraram contra as pessoas, especialmente contra as que estavam na igreja do vilarejo.

"Inicialmente, eu pensei que fossem militares, mas quando percebi eles já estavam atirando contra as pessoas e queimando casas", disse Samuel Chibok. "Quando eu fugi, o vilarejo estava em chamas." Segundo um representante do governo nigeriano, pelo menos 15 corpos já foram recuperados em Kautikiri.

Em outro ataque, em Kwada, dezenas de pessoas foram mortas de forma semelhante ao ocorrido nos outros dois vilarejos, afirmou uma fonte da área de segurança à agência Reuters.

De acordo com um conselheiro do governador do Estado de Borno - onde fica Chibok -, que pediu para não ser identificado, o terceiro ataque teria ocorrido em Nguragida, sua aldeia de origem e onde ele esteve ontem. "Nove corpos foram recuperados deste ataque", afirmou.

Um representante do governo de Chibok confirmou os ataques por telefone à AFP e disse que ainda não é possível saber o total de mortos. "Neste momento em que nos falamos, continuamos a ser atacados. Não sei quantos morreram, mas me informaram que pelo menos três igrejas foram atacas", afirmou Enoch Mark.

Apesar de não ter assumido oficialmente os ataques, eles apresentam características das ofensivas realizadas pelo Boko Haram. O grupo, que luta para impor um Estado Islâmico no norte da Nigéria, já assassinou milhares de pessoas desde 2009. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.