Ataques deixam pelo menos 15 mortos no Iraque

Ataques ocorrem após secretário de Defesa dos EUA oferecer garantias de que Washington está empenhada em ajudar o país

O Estado de S. Paulo

10 de dezembro de 2014 | 19h33

BAGDÁ - Uma série de ataques em Bagdá e nos arredores nesta quarta-feira, 10, incluindo um envolvendo um suicida dirigindo um caminhão-tanque, mataram pelo menos 15 pessoas, de acordo com autoridades iraquianas.

No ataque do caminhão, o motorista atingiu um posto de segurança na aldeia de Mikeshifa, perto da cidade de Samarra, a cerca de 95 km ao norte de Bagdá. Nove soldados iraquianos e milicianos xiitas alinhados com as forças do governo na luta contra o grupo extremista Estado Islâmico foram mortos no ataque, de acordo com a polícia. A explosão também feriu pelo menos 22 pessoas.

Ninguém reivindicou imediatamente a responsabilidade pelo atentado, mas Samarra e seus arredores são alvos constantes do Estado Islâmico. Os ataques do grupo militante tornaram-se a pior crise do Iraque desde a retirada das tropas norte americanas do país, em 2011.

Também nesta quarta-feira, uma bomba atingiu um mercado ao ar livre na cidade de Madain, ao sul de Bagdá, matando três pessoas e ferindo cinco. Outra explosão em uma rua comercial no sul de Bagdá matou duas pessoas e feriu sete. No final do dia, uma bomba atingiu uma patrulha do Exército no subúrbio de Abu Ghraib, no oeste de Bagdá, matando um soldado e ferindo seis.

Os ataques ocorrem após declarações do secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, que ofereceu garantias de que Washington está empenhada em ajudar o Iraque a recuperar o território que perdeu para o Estado Islâmico. Hagel enfatizou a importância da construção uma coalizão internacional durável para combater os extremistas. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEstado Islâmicoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.