Ataques deixam pelo menos 21 mortos no Iraque

Uma série de ataques, dentre eles a explosão de um carro-bomba do lado de fora de um café, deixou pelo menos 21 mortos no Iraque nesta segunda-feira.

Agência Estado

09 de dezembro de 2013 | 12h29

As autoridades iraquianas lutam para conter o aumento da violência - a maioria ataques insurgentes e com bombas - que toma conta do país desde a violenta repressão a um acampamento de protesto sunita em abril. A partir do episódio, o nível de violência chegou a patamares que não eram vistos desde o período de 2006 e 2007, quando o país quase entrou em guerra civil.

O mais violento dos ataques desta segunda-feira aconteceu do lado de fora de um café na cidade de Buhriz, cerca de 60 quilômetros ao norte da capital, matando 12 pessoas e deixando 24 feridas, informou a polícia.

O grupo miliciano sunita, conhecido como Sahwa, se uniu às tropas norte-americanas durante o ponto alto da guerra iraquiana contra a Al-Qaeda. Desde então, integrantes do Sahwa se tornaram alvos frequentes de insurgentes sunitas, que os considera traidores.

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelos ataques, mas grupos insurgentes costumam atacar civis em cafés e áreas públicas, assim como integrantes das forças de segurança, numa tentativa de prejudicar a confiança no governo, liderado por xiitas, e intensificar ainda mais as tensões sectárias.

O ataque aconteceu um dia depois de uma série de ataques em Bagdá e nos arredores da capital terem deixado 39 mortos. Pelo menos 150 pessoas morreram em ataques em todo o país somente neste mês, segundo contagem da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueviolência sectáriamortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.