Ataques deixam pelo menos 60 pessoas mortas na Síria

Aviões sírios conduziram uma série de ataques na cidade de Raqqa, no nordeste da Síria, controlada pelo grupo extremista Estado Islâmico, de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos. O ataque deixou pelo menos 60 pessoas mortas, incluindo 36 civis.

Estadão Conteúdo

25 Novembro 2014 | 17h25

Segundo a agência de direitos humanos, alguns bombardeios atingiram um mercado popular próximo a um museu e a um bairro industrial. O comitê de coordenação local afirmou que registrou mais de 80 mortes. Tais discrepâncias são comuns na observação imediata de atos violentos na Síria.

Um ativista que usa o nome Abu Ibrahim Al Raqqawi afirmou que nove bombardeios aconteceram em um intervalo de meia hora. Oito deles tiveram como alvo bairros civis no centro da cidade, sendo que um atingiu uma mesquita. "Esse é um dos piores massacres em Raqqa até o momento", afirmou o ativista.

Um vídeo de militantes publicado online mostrou médicos agrupando quatro corpos ensanguentados na parte de trás de uma ambulância em meio a gritos de "Deus é grande". No fundo, um caminhão de bombeiros tentava apagar vários carros em chamas.

O governo do país assim como a coalizão liderada pelos EUA frequentemente realizam bombardeios contra militantes do Estado Islâmico em Raqqa. Não ficou imediatamente claro o que motivou o ato violento desta terça-feira. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.