Ataques do Exército sírio deixam 4 mortos

Bombardeios e tiroteios ocorreram nas cidades de Deir ez Zor e Idleb; número de mortos pode ser maior

Efe

09 de agosto de 2011 | 10h38

CAIRO - Ao menos quatro pessoas morreram nesta terça-feira, 9, em uma ofensiva do Exército sírio contra a província setentrional de Idleb e a localidade de Deir ez Zor (nordeste), afirmou à Agência Efe um porta-voz dos chamados Comitês de Coordenação Local, Omar Edelbe.

 

 

Leia mais:

link Síria substitui ministro da Defesa

linkEUA elogiam convocação de embaixadores árabes

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 

 

O porta-voz do grupo opositor relatou que um homem e sua irmã morreram na região em Deir ez Zor, durante bombardeio do Exército sobre casas na cidade, um dos principais focos dos protestos.

 

 

As outras duas mortes ocorreram em Idleb, segundo Edelbe, quem denunciou que os ataques foram lançados no começo da manhã contra diferentes pontos do país.

 

Edelbe não descarta que existam mais mortos, mas assinalou que as únicas informações confirmadas disponíveis até o momento são as quatro vítimas.

 

Enquanto isso, o grupo da oposição informou pela rede social Facebook sobre nove mortos, entre estes crianças e adolescentes, e inúmeros feridos na província de Homs, no centro do país.

 

Devido ao bloqueio que o regime sírio impôs à imprensa internacional, é complicado verificar com independência as informações de óbitos fornecidos por grupos opositores.

 

A agência oficial de notícias síria "Sana", citando uma fonte militar, afirmou nesta terça-feira que as unidades do Exército encarregadas de "proteger aos habitantes" na cidade de Homs, deixaram o local depois de serem perseguidas por formações terroristas.

 

Desde a explosão dos protestos políticas em meados de março na Síria, o regime do presidente Bashar al Assad, que acusa grupos terroristas de estarem por trás das manifestações, tratou de aplacá-las com uso da força.

 

O Observatório para os Direitos Humanos sírio calcula em 1,7 mil os óbitos civis e 401 soldados das forças de segurança desde o início da revolta popular em março.

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera árabeSíriaAssad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.