Ataques e bombardeios deixam 109 mortos no Afeganistão

Maioria das vítimas seria de rebeldes do Taleban que foram bombardeados por aviões da Otan

Associated Press,

28 de agosto de 2007 | 17h44

Pelo menos 109 pessoas morreram em mais um dia de violência no sul e no leste do Afeganistão, informaram autoridades locais e militares estrangeiros nesta terça-feira, 28. A maioria dos mortos, cerca de 100, é de supostos rebeldes do Taleban que foram bombardeados por aviões da Otan - o incidente ocorreu nesta terça no sul do Afeganistão e o número de mortos não pôde ser verificado por fonte independente. Em um local não revelado do leste afegão, um homem-bomba atacou um grupo de soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) engajados no apoio à construção de uma ponte na região, suicidando-se, matando três militares e ferindo seis, informou a aliança por meio de um comunicado. Em Nangarhar, também no leste do país, a explosão de uma bomba atingiu em cheio um veículo militar e causou a morte de quatro soldados afegãos, informou o Ministério da Defesa do Afeganistão. No sul, tropas americanas e afegãs foram emboscadas por rebeldes supostamente do Taleban e pediram um ataque aéreo. Segundo os militares americanos, pelo menos 100 rebeldes foram mortos. Um soldado afegão foi morto e três ficaram feridos. A batalha ocorreu no distrito de Shah Wali Kot, na província de Kandahar. No ataque suicida, o homem-bomba aproximou-se da ponte e detonou os explosivos atados a seu corpo, dizia o comunicado da Otan. A aliança atlântica não revelou a nacionalidade dos soldados nem a localidade onde ocorreu o ataque. A maioria dos soldados estrangeiros no leste do Afeganistão é americana. Atualmente, a violência no Afeganistão encontra-se no pior nível desde que forças estrangeiras lideradas pelos Estados Unidos invadiram o país no fim de 2001 em resposta aos ataques de 11 de setembro daquele ano. Mais de 3.800 pessoas já perderam a vida em incidentes relacionados à insurgência desde o início de 2007, segundo dados fornecidos por fontes locais e ocidentais compilados pela Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.