Ataques e mortes põem em xeque trégua na Síria

Atentado e bombardeios teriam deixado 150 mortos no primeiro dia de cessar fogo entre governo e rebeldes.

BBC Brasil, BBC

27 de outubro de 2012 | 09h00

O Exército da Síria realizou fortes bombardeios contra diversas áreas do país, em meio ao começo de um cessar fogo firmado entre rebeldes e forças governistas por conta do início do festival religioso islâmico do Eid al-Adha.

Bombardeios e disparos foram ouvidos na capital do país, Damasco, na cidade de Deir Ezzor, no leste do país, e em regiões controladas por ativistas antigovernistas na província de Aleppo, no norte da Síria.

A trégua entrou em vigor na sexta-feira, mas foi logo rompida por combates e um por um atentado com um carro à bomba em Damasco.

De acordo com ativistas, cerca de 150 pessoas foram mortas no primeiro dia do que seria o cessar fogo dos combates.

''Eu contei 15 explosões em apenas uma hora e já vimos dois civis serem mortos. Não consigo ver qualquer diferença entre antes e depois da trégua'', afirmou o ativista Mohammed Dourmay, em Douma, um subúrbio da capital, em uma entrevista à agência de notícias Reuters.

'Morto antes de começar'

O cessar fogo de quatro dias foi negociado pelo enviado especial da ONU Lakhdar Brahimi, que acreditava que o acordo poderia representar a semente de um processo de paz.

Mas tanto rebeldes como o Exército disseram que só respeitariam uma trégua se a outra facção deixasse de realizar ataques.

Um comandante do grupo rebelde Exército Livre da Síria disse, em Aleppo, uma área parcialmente controlada por forças antigovernistas, que o cessar fogo representou um fracasso para Brakhimi e que o acordo ''já estava morto antes mesmo de começar''.

A TV síria mostrou imagens de um atentado à bomba na capital Demasco, que deixou um forte rastro de destruição, tendo arrasado diversos edifícios em uma área residencial no sul de Damasco.

De acordo com a emissora estatal, o atentado teria matado cinco pessoas e ferido outras cinco. O governo atribuiu o ataque a ''terroristas''.

Ativistas afirmam que o ataque teria sido voltado contra civis islâmicos sunitas, já que a área é de maioria sunita.

Os sunitas têm sido o principal grupo de resistência ao governo do presidente Bashar al-Assad. Assad e seus assessores mais próximos são muçulmanos xiitas.

De acordo com grupo de direitos humanos, o conflito na Síria já matou mais de 35 mil pessoas. A ONU estima que a violência no país tenha matado ao menos 20 mil. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.