Ataques em cidade paquistanesa deixam ao menos 22 mortos

Dois supostos carros-bombaexplodiram na cidade paquistanesa de Lahore na terça-feira,matando ao menos 22 pessoas e ferindo dezenas, a maioria delasem um prédio de um órgão de segurança do governo, informaram apolícia e autoridades. Mais de 500 pessoas já foram mortas no Paquistão neste anoem ataques atribuídos a extremistas, incluindo numa campanha deataques suicidas. Uma das bombas foi detonada do lado de fora do prédio daAgência de Investigação Federal, localizado no centro dacidade, causando grandes danos ao edifício e a construçõespróximas, poucas horas após o início do expediente. A agênciaconcentra suas investigações na imigração ilegal e no tráficode pessoas. "Agora é mais óbvio que os terroristas têm como alvo oaparato estatal de combate ao crime", disse o chefe de políciada cidade, Malik Mohammad, a jornalistas, alegando que assuspeitas são de que o ataque foi realizado com um carro-bomba. As explosões acontecem após os partidos de oposiçãovencerem as eleições de 18 de fevereiro. Eles estão em processode formação de um novo governo, o que aumenta as esperanças deestabilidade política após as tensões com a oposição aopresidente Pervez Musharraf. O ministro do Interior, Hamid Nawaz, disse que a explosãopróxima à agência de investigação aconteceu perto da entrada doprédio. "Foi uma grande explosão que aconteceu perto darecepção", disse ele à Reuters. Autoridades hospitalares disseram que 20 pessoas morreramno ataque, além do agressor. Cerca de 120 pessoas ficaramferidas. Um segundo carro-bomba, que também suspeita-se tratar-se deum ataque suicida, ocorreu em um bairro residencial localizadoa cerca de 10 quilômetros do local da primeira explosão. O administrador municipal Mian Ejaz disse que a bomba matouduas crianças, enquanto hospitais informaram que mais de 60pessoas ficaram feridas. A polícia disse que o carro tinha duas pessoas a bordo eexplodiu após ser parado no portão de uma agência depublicidade próxima à casa de Asif Ali Zardari, viúvo daex-primeira-ministra Benazir Bhutto, recentemente assassinadaem um atentado. Zardari, que liderou o partido da ex-premiê para a vitórianas eleições do mês passado, prometeu não recuar da longabatalha com os extremistas. Ele estava em Islamabad naterça-feira. (Reportagem adicional de Kamran Haider e Zeeshan Haider)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.