Ataques israelenses deixam 6 mortos em Gaza

Pelo menos 30 pessoas ficaram feridas; entre os mortos havia dois militantes da Jilhad Islâmica

AE, Agência Estado

25 de agosto de 2011 | 11h17

CIDADE DE GAZA - Uma série de ataques israelenses contra a Faixa de Gaza nas últimas 24 horas deixou seis palestinos mortos e 30 feridos, informou Adham Abu Selmiya, porta-voz dos serviços de emergência médica nesta quinta-feira.

Segundo ele, cinco pessoas morreram na série de ataques que foi encerrada antes do amanhecer desta quinta-feira e que uma sexta morreu por causa dos ferimentos sofridos durante a manhã. Dos seis mortos, dois eram militantes da Jilhad Islâmica.

O primeiro ataque da quarta-feira atingiu um carro na cidade de Rafah, sul de Gaza, matando o militante Ismail al-Ismar, de 34 anos. Mais tarde, os médicos descobriram o corpo de Ismail Amum, um civil de 65 anos que morreu num ataque anterior perto de Deir al-Balah, região central de Gaza.

Durante a noite, a Força Aérea israelense atacou alvos na Cidade de Gaza, matando o militante Atiya Muqat, de 20 anos. Outro ataque em Rafah matou Hisham Abu Har, um civil que trabalhava nos túneis fronteiriços usados para contrabando.

Na manhã desta quinta-feira, um ataque aéreo contra um pavilhão desportivo em Beit Lahiya matou o civil Salam al-Masri e deixou outras 20 pessoas feridas, uma das quais em estado grave.

Horas mais tarde, Adnan al-Jakhbir, de 22 anos, um civil que havia ficado seriamente ferido em Beit Lahiya, morreu em decorrência dos ferimentos, informou o serviço de ambulâncias à agência France Presse. No mesmo período de 24 horas, militantes de Gaza dispararam 19 foguetes e morteiros contra o sul de Israel, ferindo levemente uma criança, disseram militares.

Jihad Islâmica>

A Jihad Islâmica prometeu nesta quinta-feira que se Israel interromper os ataques aéreos contra Gaza, seus militantes vão deixar de disparar foguetes contra o sul de Israel, disse um porta-voz à agência France Presse.

"Se Israel interromper os ataques, a resistência palestina vai deixar de disparar foguetes", disse Daoud Shihab.

"Nós não queremos a intensificação do conflito, mas se houver qualquer agressão israelense, haverá resposta", disse ele, responsabilizando Israel pelo assassinato de um de seus líderes durante um ataque em Rafah, na manhã de quarta-feira.

A trégua anunciada na noite de domingo pelo Hamas, que governa Gaza, era respeitado pelos grupos militantes até Israel decidir rompê-lo, atingindo um carro onde estava o militante Ismail al-Ismar, disse ele.

 

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosGazaataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.