Ataques israelenses matam pelo menos 155 em Gaza

Prédios do governo e complexos de segurança do grupo Hamas foram alvo; médicos afirmam que há 200 feridos

Agências internacionais,

27 de dezembro de 2008 | 08h42

Aviões israelenses F-16 lançaram uma série de ataques contra palestinos na Faixa de Gaza neste sábado, 27. Médicos palestinos calculam que pelo menos 155 pessoas morreram e outras 200 estariam feridas, segundo o a versão online do jornal israelense Haaretz. Entre os mortos está o general Tawfeeq Al-Jaber, um dos comandantes do grupo islâmico Hamas.   A ação se seguiu após dias de disparos de foguetes de palestinos contra Israel. "A atividade aérea veio como resposta aos ataques de terrorismo do Hamas, que tiveram como alvo os civis", declarou o governo de Israel.     Crédito: arte/estadao.com.br Região onde aconteceram os ataques       Veja também: Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Israel diz estar pronto para expandir ataques a Gaza EUA pedem que Israel evite baixas civis em ataques a Gaza Abbas pede ajuda; Liga Árabe convoca reunião de urgência Reação palestina deixa israelense morta e quatro feridos Irã enviará navio com ajuda para Gaza, diz TV estatal Veja imagens de Gaza após os ataques        Foto: Associated Press   Autoridades israelenses afirmam que os ataques desta sábado tiveram como alvo dezenas de prédios do governo palestino e instalações de segurança do Hamas. O bombardeio começou por volta das 11h30 locais (8h30 de Brasília).   Estes ataques aéreos são os mais intensos que Israel lançou contra Gaza nos últimos anos, e podem indicar a iminência de uma operação terrestre. Autoridades de segurança de Israel vêm mencionando essa possibilidade há alguns dias.   Pânico nas ruas   Alguns dos mísseis israelenses caíram sobre áreas densamente povoadas, provocando pânico pelas ruas. Entre as áreas atingidas, está o porto da Cidade de Gaza.   Crianças fugiram apavoradas com as explosões seguidas de fogo e nuvens pretas. Corpos de policiais palestinos foram alinhados em uma rua movimentada da cidade.   Como resposta, militantes do Hamas dispararam foguetes, matando uma civil israelense e ferindo quatro outras pessoas em Negev. O Hamas anunciou que continuará a resistência contra Israel "até a última gota de sangue".   Apesar da crescente tensão, os palestinos não esperavam um ataque até pelo menos domingo. A expectativa era de que o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, não autorizasse nenhuma operação nesta semana.   Segundo a imprensa israelense, o governo daria tempo às autoridades egípcias de realizar uma última tentativa de mediação entre Israel e o grupo palestino Hamas. Uma trégua entre Israel e o Hamas expirou na semana passada.   No começo da semana, o Hamas disse que Israel iria abrir os portões do inferno caso realizasse ataques.   Texto atualizado às 13h25

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelPalestinaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.