Ataques matam 24 no Paquistão, dizem autoridades

Violência em Karachi está ligada com disputas de diferentes comunidades étnicas e políticas

AE, Agência Estado

06 de julho de 2011 | 09h59

KARACHI - Ataques ocorridos durante a noite em Karachi deixaram pelo menos 24 mortos na maior cidade do Paquistão, disseram autoridades locais. Sharfuddin Memon, funcionário do Ministério do Interior da província de Sindh, no sul do país, afirmou que os ataques começaram na noite de ontem (horário local).

Memon disse que a polícia prendeu 12 homens com armas e munições, supostamente envolvidos com os crimes. Há tensão no país entre as forças do Movimento Muttahida Qaumi e o Partido Nacional Awami, que representam diferentes comunidades étnicas e linhas políticas.

Uma fonte do setor de segurança afirmou que ainda há conflitos nos bairros de Orangi e Qasba, no oeste da cidade, onde ocorrem disparos esporádicos e as ruas estão desertas, com comércios fechados. "Policiais e tropas paramilitares estão em patrulha nos bairros problemáticos para evitar mais violência", afirmou Memon.

A polícia afirmou que cinco dos corpos estavam em um ônibus no bairro de Gulshan-e-Iqbal, no leste da cidade. Os dois grupos políticos disseram que entre os mortos há partidários e ativistas dessas agremiações, mas estas informações ainda não foram confirmadas oficialmente.

A Comissão de Direitos Humanos do Paquistão afirmou que 490 pessoas foram mortas em homicídios com alvos definidos na primeira metade do ano. No ano passado, 748 pessoas foram mortas dessa maneira. Em 2009, o número ficou em 272. Karachi sofre com os homicídios sectários, o crime em geral e os sequestros, em particular. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoataquesmortesKarachi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.