Ataques matam 4 soldados britânicos e 4dos EUA no Iraque

Quatro soldados britânicos e um intérprete civil, natural do Kuwait, morreram nesta quinta-feira, 5, em um ataque a bomba em Basra, ao sul de Bagdá, a capital iraquiana. Com o atentado, sobe para seis o número de soldados ingleses mortos no Iraque somente nesta semana, um dos maiores índices entre forças britânicas desde a invasão ao país árabe, em março de 2003.O porta-voz das tropas britânicas no Iraque, coronel KevinStratford-Wrigh, afirmou que as forças britânicas foram atacadas por granadas durante a madrugada em rodovias de Bagdá, deixando 15 soldados seriamente feridos.Em outros dois atentados separados, quatro soldados americanos morreram em rodovias próximas à Bagdá. Os ataques ocorreram em uma região considerada segura pelas forças americanas, após o estabelecimento de centenas de novos soldados buscando acabar com a violência na capital.Segundo primeiras informações, um helicóptero militar americano teria sido abatido ao sul de capital. Testemunhas contam que disparos contra a aeronave provocaram a queda do helicóptero Apache durante um ataque. O porta-voz das tropas britânicas no Iraque, coronel KevinStratford-Wrigh, afirmou que ataques com granadas às forças britânicas durante a madrugada em rodovias de Bagdá deixaram, além dos quatro soldados mortos, 15 seriamente feridos.Coronel iraquiano é mortoUm grupo não identificado matou ainda nesta quinta-feira um coronel do Exército iraquiano na cidade de Faluja, 50 quilômetros a oeste de Bagdá, segundo fontes policiais.Embora não tenham sido dados mais detalhes sobre quem pode estar por trás da morte do coronel Khamis Ahmed Mashadani, as fontes explicaram que a vítima foi um importante comandante na guerra entre Iraque e o Irã, entre 1980 e 1988.Em outro incidente em Faluja, um policial foi encontrado decapitado em uma rua da cidade, dois meses após deixar seu posto no Ministério do Interior.Faluja é um refúgio de rebeldes vinculados à Al-Qaeda, que nos últimos meses começaram a entrar em choque com dirigentes tribais apoiados pelo Governo do primeiro-ministro, o xiita Nouri al-MalikiSeqüestro Um alto dirigente da sociedade civil no Iraque foi seqüestrado quando viajava da cidade de Samarra a Al Dor, na província de Salah ad-Din, ao norte de Bagdá, informaram fontes policiais.Ali Harbaui, chefe das Associações de Sociedade Civil desta província sunita, foi obrigado a descer de seu carro quando se encontrava na metade do caminho entre as duas cidades. Ainda não se sabe quem são os autores do seqüestro.Harbaui é a última vítima de uma série de incidentes similares que muitas vezes acabam com o assassinato do seqüestrado, especialmente após o ataque com bombas ao santuário xiita de Samarra em fevereiro do ano passado.Em outro incidente hoje, uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas após a explosão de uma bomba no nordeste de Bagdá, que também destruiu um bom número de veículos nos arredores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.