Ataques matam 40 civis em Kandahar

Ofensiva ocorre após comissão eleitoral anunciar Karzai na frente

AFP, AP e Reuters, CABUL, O Estadao de S.Paulo

26 de agosto de 2009 | 00h00

Um brutal atentado com cinco carros-bomba matou ontem pelo menos 40 civis em Kandahar, no sul do Afeganistão. O ataque ocorreu horas depois de divulgados os resultados preliminares das eleições, que mostraram uma disputa apertada. Hamid Karzai, atual presidente, está dois pontos porcentuais à frente de seu principal rival, o ex-chanceler Abdullah Abdullah. O atentado, que deixou cerca de 70 feridos, deu a medida do tamanho do desafio que o próximo presidente enfrentará, seja Karzai - que lidera com 41% dos votos apurados - ou Abdullah, atrás com 39% dos votos, após a apuração de pouco mais de 10% das urnas.Os carros-bomba foram detonados quase simultaneamente no centro da cidade e destruíram completamente mais de 40 prédios, lojas e restaurantes. Autoridades acreditam que ainda existam vítimas sob os escombros. Por isso, o número de mortos pode subir. Segundo investigações iniciais, o alvo dos ataques era empreiteira japonesa que teria fechado havia pouco tempo um contrato para construir uma estrada cortando uma região dominada pelo Taleban. Até a madrugada de hoje, nenhum grupo havia assumido a autoria das explosões. O atentado foi um dos mais violentos desde a expulsão do Taleban, em 2001. "Mais uma vez, eles mataram crianças e mulheres - afegãos inocentes. Eles não são humanos, são animais", disse o chefe da polícia local, Mohamed Sher Shah."O céu de Kandahar ficou tomado por uma coluna de fumaça. Vi corpos espalhados por todos os lados e pessoas feridas gritando por ajuda", disse Mohamed Ismail, um vendedor de frutas que se feriu nas explosões. Além dos civis mortos em Kandahar, quatro militares americanos também morreram ontem no sul do Afeganistão (mais informações nesta página).O Afeganistão vive um limbo político desde a eleição de quinta-feira, já que tanto Karzai como Abdullah afirmam ter vencido. O ex-chanceler acusou o presidente de ter fraudado a votação em cerca de 200 regiões do país. A eleição é um enorme teste para Karzai, após oito anos no poder, e também para o presidente americano, Barack Obama, que enviou mais tropas para o Afeganistão como parte de sua estratégia para acabar com o Taleban e estabilizar o país.A diferença de 2 pontos porcentuais entre os candidatos equivale a 10 mil votos, em um total de 524 mil já contabilizados. O candidato Ramazan Bashardos, membro da etnia minoritária hazara, aparece em terceiro lugar, com 11%. Segundo a Comissão Eleitoral afegã, o resultado oficial será divulgado após o dia 3. Se nenhum dos candidatos conseguir 50% dos votos, será realizado um segundo turno em 1º de outubro. Karzai espera que sua votação suba bastante após a abertura das urnas nas províncias de Kandahar e Helmand, onde a população é de maioria pashtun, como ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.