Ataques matam 51 no Iraque

Fiéis xiitas são alvo da série de atentados a bomba

AP e REUTERS, O Estadao de S.Paulo

08 de agosto de 2009 | 00h00

Uma série de ataques contra muçulmanos xiitas no Iraque mataram ontem ao menos 51 pessoas. Os atentados tornaram o dia de ontem o segundo mais letal desde que as forças americanas deixaram as cidades, há um mês, e levantaram temores sobre um possível fortalecimento dos rebeldes sunitas.No pior atentado, um caminhão-bomba explodiu em Mossul, no norte do Iraque, destruindo completamente uma mesquita xiita, justamente no dia sagrado para os muçulmanos. Segundo a polícia local, pelo menos 38 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas. Horas depois da explosão, equipes de resgate ainda trabalhavam para retirar dezenas de fiéis e de moradores de casas vizinhas que estavam presos nos escombros. A mesquita atingida era usada por turcomanos xiitas, que são minoria em Mossul. Segundo os EUA, a cidade é o último reduto da Al-Qaeda no Iraque. E o uso de carros-bomba é uma das principais características dos atentados do grupo terrorista."Posso afirmar que absolutamente todas as casas desse bairro foram afetadas. E mesmo as janelas de carros que estavam longe da mesquita estilhaçaram com a explosão", disse Jaafar Mohammad, cujo tio foi morto no ataque. O governador Atheel al-Nujaifi culpou as forças iraquianas, afirmando que houve falha para garantir a segurança da mesquita. As forças americanas deixaram as cidades em 30 de junho e passaram o controle nos centros urbanos para soldados e policiais iraquianos - medida que foi considerada um marco para o governo iraquiano, mas provocou dúvidas sobre a capacidade das forças locais. Segundo o major americano Derrick Cheng, porta-voz do Exército na região, o objetivo dos atentados é minar o governo e as forças locais, além de inflamar a violência sectária.PEREGRINAÇÃOFiéis xiitas também foram atacados ao retornar de Kerbala, uma cidade sagrada próxima de Bagdá, onde centenas de milhares de pessoas participavam de uma celebração religiosa. No primeiro ataque, uma bomba caseira atingiu uma van que transportava fiéis de volta para Bagdá, deixando quatro mortos.Em seguida, duas explosões quase simultâneas em Cidade Sadr, bairro xiita no leste de Bagdá, mataram 3 peregrinos e feriram 15. Em resposta, uma motocicleta-bomba explodiu poucas horas depois em um bairro sunita da capital iraquiana, matando 6 pessoas, entre elas 3 policiais, e ferindo mais de 30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.