Ataques no Iraque matam pelo menos 25 nesta 2ª feira

Uma série de ataques contra forças de segurança e civis no Iraque deixaram pelo menos 25 mortos nesta segunda-feira, informaram autoridades e médicos, um dia antes do primeiro aniversário da retirada das tropas norte-americanas do país.

AE, Agência Estado

17 de dezembro de 2012 | 10h25

A onda de violência ocorre após uma série de ataques que mataram 19 pessoas de deixaram 77 feridas no domingo, dia com o maior número de mortos desde 29 de novembro, quando 50 pessoas foram mortas.

Homens armados atacaram um posto de verificação da política numa estrada a oeste de Tikrit, matando um policial e ferindo três, afirmou um tenente-coronel da polícia.

Uma patrulha policial perseguiu os atiradores, que abandonaram seu carro e detonaram os explosivos que estavam no veículo, matando outros quatro policiais e ferindo dois, disse uma autoridade. Um médico confirmou o número de mortos.

Na vila de Al-Buslaibi, ao norte de Bagdá, uma bomba colocada à margem de uma estrada explodiu, matando três soldados. Um atirador atacou um posto de verificação na cidade de Mosul, norte iraquiano, matando um soldado.

A explosão de um carro-bomba na vila de Khaznah, nas proximidades de Mosul, deixou sete mortos e 12 feridos. A maior parte dos habitantes da vila pertence à minoria Shabak. Outros dois carros-bomba explodiram perto de um local de veneração xiita ao norte da cidade de Tuz Khurmatu, matando cinco e deixando 26 feridos.

Três bombas instaladas à margem de vias nas proximidades de Baquba, ao norte de Bagdá, mataram uma pessoa e ferindo quatro.

A cidade de Rutba, na província de Anbar, foi atingida por uma salva de dez morteiros que matou duas pessoas e deixou nove feridas, afirmou uma autoridade. Um carro-bomba explodiu perto de Dujail, ao norte de Baghdad, matando um iraquiano e ferindo dez peregrinos iranianos.

As forças militares norte-americanas concluíram sua retirada do país em 18 de dezembro do ano passado, encerrando um guerra de quase nove anos que custou a vida de dezenas de milhares de iraquianos, milhares de norte-americanos e centenas de bilhões de dólares. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
IraqueviolênciaEUAretirada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.