Ataques no Paquistão matam 35 antes da volta de ex-premiê

O líder Nawaz Sharif, derrubado em golpe dado pelo atual presidente, retorna ao país neste domingo

Agências Internacionais,

24 de novembro de 2007 | 10h26

Dois atentados com carros-bomba mataram neste sábado um número de pessoas que pode chegar a 35 na cidade de Rawalpindi, no Paquistão, informaram os militares. As duas explosões, na véspera do retorno do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif do exilo, aumentam as preocupações com a insegurança no país, que se prepara para eleições gerais em janeiro em meio a incertezas políticas causadas pelo estado de emergência.   No primeiro atentado, um carro-bomba atingiu um ônibus que tarnsportava funcionários do Serviço de Inter-Inteligência, o sserviço de espionagem paquistanês. Momentos depois, uma bomba atingiu um posto de segurança do Exército em outra parte da cidade.   Duas autoridades do setor de segurança - um deles presente à cena - disseram que 35 pessoas morreram. Ambos pediram que seus nomes não fossem divulgados.   Uma nota oficial do exército conforma apenas 15 mortes no atentado contra o ônibus, incluindo o terrorista suicida, e duas vítima sferidas gravement no segundo ataque.   Militantes islâmicos têm financiado explosões suicidas no Paquistão desde que o Exército atacou a Mesquita Vermelha, na capital Islamabad, para desmontar um movimento radical armado.   Líder conservador   O ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif retorna ao país no domingo, 25, oito anos depois de ter sido deposto em um golpe de Estado para desafiar o presidente Pervez Musharraf, que o derrubou.   Apoiadores de Sharif, um conservador,  prometem que ele terá uma recepção de herói nacional. Espera-se que o desembarque de Sharif na cidade de Lahore traga mais um peso-pesado para a confusa cena política paquistanesa.

Tudo o que sabemos sobre:
paquistãomusharrafsharif

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.