Ataques no Quênia deixam 7 mortos

Um grupo de jovens sem camisa, armado com facões e outras armas rudimentares agrediram policiais nas proximidades de um cassino e posteriormente atacaram uma delegacia de polícia na cidade costeira de Malindi, no Quênia, nas primeiras horas desta quinta-feira. Seis integrantes da gangue e um policial morreram.

Agência Estado

28 de março de 2013 | 09h01

O grupo se reuniu nas proximidades do cassino por volta das 2h (horário local). O cassino fechou todas as suas portas, mas o grupo matou um policial que trabalhava no local. Posteriormente a gangue entrou em confronto com policiais perto de uma delegacia.

O chefe da polícia local, Aggrey Adoli, informou que um policial e seis integrantes do grupo morreram. Segundo

Adoli, as autoridades suspeitam que a gangue seja parte de um grupo separatista chamado Conselho Republicano Mombasa.

O segurança noturno Justin Kaingu, que testemunhou o ataque, disse que viu um grupo de jovens sem camisa armados com facões e outras armas avançando na direção do cassino. "O grupo parou por alguns minutos...eu ouvi disparos pouco antes de vê-los", disse ele.

Quatro suspeitos foram detidos ao voltarem ao local para recolher os corpos de seus colegas.

Ataques realizados no dia 4 de março, data em que foram realizadas eleições presidenciais no país, deixaram 19 mortos nas cidades de Mombasa e Kilifi. A polícia suspeita que o mesmo grupo separatista tenha sido responsável também por esses ataques. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Quêniaviolênciacassinodelegacia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.