Ataques simultâneos matam 72 xiitas no Iraque

Série de atentados é a mais violenta desde o dia 22; país vive tensão sectária desde a ordem de prisão contra o vice sunita e a retirada americana

BAGDÁ, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2012 | 03h07

Uma série de explosões ontem no Iraque matou ao menos 72 xiitas e feriu outros 60 nos subúrbios de Bagdá e em uma peregrinação a caminho de Kerbala. É o mais novo episódio de violência sectária no país, onde a tensão entre xiitas e sunitas tem crescido com a saída dos últimos militares americanos, no meio de dezembro.

Embora nenhum grupo tenha assumido a autoria dos ataques, eles possuem as características dos realizados por insurgentes sunitas ligados à Al-Qaeda, como os atentados do dia 22, que deixaram 69 mortos em Bagdá. A crise sectária se acentuou no mês passado, quando o premiê xiita, Nuri al-Maliki, acusou o vice-presidente sunita, Tariq al-Hashemi, de estar ligado a um esquadrão da morte que agia contra xiitas e emitiu uma ordem de prisão contra ele.

Os ataques de ontem, os mais violentos desde o dia 22, começaram pela manhã quando um carro-bomba e uma moto explodiram nos bairro xiitas de Sadr City e Kazimiyah, em Bagdá. Vinte e sete pessoas morreram. A polícia diz ter desarmado outros dois explosivos. "Havia um grupo de operários esperando por uma entrevista de emprego. Então, alguém estacionou uma moto ali, que explodiu momentos mais tarde", disse um policial.

Horas depois, um homem-bomba atacou uma procissão em Nasiriyah, a 320 km de Bagdá, que deixou 45 xiitas mortos. Eles se preparavam para participar do feriado de Arbaeen, que marca o fim do luto pela morte do Imã Hussein, uma das figuras mais importantes do xiismo.

"Ainda é cedo para apontar suspeitos. Temos de esclarecer alguns pontos", afirmou o porta-voz do centro de operações da polícia em Bagdá, Qassim al-Mossawi.

A insurgência sunita e as milícias xiitas ainda são uma grave ameaça à segurança interna do Iraque. Sadr City é o reduto do clérigo radical Moqtada al-Sadr, ligado ao Irã e importante aliado de Maliki. Sua milícia, o Exército Mehdi, combateu as tropas americanas durante a guerra.

Na terça-feira, o impasse provocado pelo rompimento entre Maliki e Hashemi fez o bloco sunita secular Iraqiya, membro da coalizão de governo, boicotar a sessão do Parlamento. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.