Ataques suicidas matam ao menos 28 na Somália

Uma onda de explosões suicidas matou pelo menos 28 pessoas no norte da Somália, nesta quarta-feira, em ataques que roubaram a atenção de uma reunião entre chefes de Estado para discutir o crise política no país no vizinho Quênia. As cinco explosões sincronizadas mataram 25 pessoas em Hargeisa e outras três em Bosasso. Nenhum grupo assumiu imediatamente a responsabilidade pelos ataques. No entanto, nos últimos meses, rebeldes islâmicos entraram em conflito com o governo interino no oeste da Somália, enquanto seus aliados etíopes também promoveram ataques em resposta aos esforços internacionais de encerrar o distúrbio no país africano. As bombas explodiram enquanto líderes do governo interino se reuniam em Nairóbi com chefes de Estado da região para conversações sobre o conflito. A administração de quatro anos tem sido pressionada para resolver o caos e dividir o poder com figuras moderadoras da oposição. Washington, e seu aliado próximo na região, Etiópia, disseram que os islâmicos da Somália estão ligado à Al Qaeda de Osama bin Laden. "Este é um trabalho comum de terroristas que tentam criar instabilidade. Eu garanto que isso não ficará assim. Eles serão levados à Justiça", disse o ministro das Relações Exteriores da Etiópia, Seyom Mesfin, a jornalistas. Em Hargeisa, região afetada da Somália, testemunhas disseram que três ataques aconteceram no escritório do presidente, no complexo da Organização das Nações Unidas (ONU) e na embaixada da Etiópia. O jornalista Ali Jama Mohame estava passando pelo escritório da presidência quando um carro se chocou contra as portas. "Houve uma grande explosão e eu vi muitas pessoas, a maioria pedestres e alguns guardas de segurança, caídos no chão. Alguns estavam mortos e outros feridos", disse Mohamed à Reuters.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.